Boa parte de nossas vidas, passamos na escola. Talvez você tenha sido um aluno exemplar e que amava aprender, ou talvez quisesse que tudo passasse mais rápido para terminar o colégio. No entanto, quando entramos na terceira idade, ou no período após a aposentadoria, passamos a imaginar o que poderíamos ter feito: voltar a estudar, para muitas pessoas, está nesses planos.

Com mais tempo livre, especialmente na fase entre os 49 e 60 anos de idade, o sonho de fazer uma faculdade e entrar no ensino superior pode aflorar.

A vontade de munir o cérebro de novas informações, ou realizar um sonho que não houve tempo para ser feito durante outras fases da vida, porém, pode ser impactada com o pensamento de que o tempo já passou (o que é um grande engano!).

Afinal, quando ficamos mais velhos, temos mais dificuldades para nos adaptarmos a novas rotinas. Mas tudo vale para melhorar nossa qualidade de vida, não é mesmo?

Pensando nisso, aMedSênior reuniu para você neste artigo os principais benefícios como motivação para continuar estudando ou retornar à sala de aula!

Qual a importância do estudo do idoso?

Segundo dados do Censo da Educação Superior, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) entre 2013 e 2017, o número de idosos matriculados em cursos de graduação aumentou 46,3%.

Esse fenômeno, de acordo com os especialistas, pode ser explicado pelo aumento da expectativa e da melhoria nas condições de saúde. Atualmente, o total de pessoas entre 60 e 64 anos nas universidades públicas do Brasil é de 18,9 mil. Enquanto isso, na faixa etária acima dos 65, o número de 7,8 mil estudantes.

Cada vez mais em plena forma intelectual e com grande potencial para permanecer no mercado de trabalho, estudar na terceira idade é uma forma de manter a mente ativa, além de ser uma maneira de alavancar a carreira.

Além disso, adquirir novos conhecimentos ajuda os idosos a combater uma série de doenças neurológicas. É uma forma eficaz de retardar problemas como o mal de Alzheimer e a demência, uma vez que estimula o cérebro a realizar trocas de informação, reforçando os mecanismos da memória e do aprendizado.

Como diria o ditado, "mente vazia é oficina do diabo", e, para manter a boa saúde mental, é sempre uma boa ideia estar ligado a uma nova atividade – seja ela física, com exercícios, ou por meio do estudo, com leitura e o incentivo atrelado dessa maneira.

Outro ponto positivo é o fato de que, quando estudamos, conhecemos pessoas fora do círculo familiar. Portanto, retornar aos estudos torna-se uma atividade social e nos faz criar novos vínculos, conhecendo novos estilos de vida, culturas, e ampliando o nosso leque de conhecimento